Osmar Junior

[…]O terra, terra, terra! Ouve a palavra do SENHOR. — Jeremias 22:29

Arquivos da Categoria: Terra

[O discípulo radical] – Cuidado com a Criação

Na criação Deus estabeleceu três tipos de relacionamento para o homem:

  • Com Deus;

  • Entrei si;

  • Com a criação;

Todos esses relacionamentos foram deturpados na queda. Perdemos a comunhão com Deus, Adão e Eva culpou um ao outro pelo que aconteceu e toda terra foi amaldiçoada.

Então, o plano de restauração de Deus inclui a restauração desses três tipos de relacionamento, do homem com Deus, do homem e seu próximo e do homem com a terra e demais criaturas.

A Bíblia nos diz em romanos 8:18-23 “que toda a criação geme”, “com dores de parto” esperando a restauração da criação, “novos céus e nova terra, em que habita a justiça” (2 Pedro 3:13).

Paulo diz que a criação geme pela libertação de seu estado atual, assim como nós “também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” (Romanos 8:23).

Assim como nos preocupamos em cuidar de nosso corpo influenciados por essa esperança, devemos também cuidar e aumentar a consideração que temos pela terra e toda criação agora.

Qual, então, deveria ser nossa atitude para com a terra?

Leia mais »

Anúncios

Evidências para uma Terra Jovem – Geologia: radiocarbono em Diamantes

Longe de provar a evolução, datação por carbono 14, na verdade oferece algumas das evidências mais fortes para a Criação e uma Terra Jovem. Radiocarbono (carbono 14) não pode ficar naturalmente em substâncias de milhões de anos, porque se deteriora de forma relativamente rápida. Por esta razão, ela só pode ser utilizada para obter “idades” na escala de dezenas de milhares de anos.

Cientistas do projeto RATE (Radioisotopes and the Age of the Earth) analisaram os diamantes que os evolucionistas consideram ter 1-2 bilhões de anos e relacionados com a história inicial da terra.Os diamantes são a substância mais dura conhecida e extremamente resistente à contaminação por meio de permuta química.

No entanto, os cientistas do RATE descobriram significativo os níveis detectáveis de radiocarbono nestes diamantes, datando-os em torno de 55 mil anos — muito longe dos bilhões evolucionários!

Fonte: http://www.answersingenesis.org/

Admissão de desconhecimento sobre a formação do Universo

formacao_universoQuando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que estabeleceste, que é o homem, que dele te lembres. E o filho do homem, que o visites? (Sl 8.3-4).

Uma nova teoria sugere que após “apenas” meio bilhão de anos de completa escuridão que seguiu o Big Bang (Grande Explosão), o princípio teórico do Universo, ocorreu uma multiplicação acelerada de estrelas, semelhante a uma queima de fogos de artifício através dos céus.

Essa opinião se baseia na análise de galáxias muito tênues nas profundezas mais distantes do Universo que já foram capturadas por um telescópio. Ela sugere que houve uma erupção de estrelas rompendo a escuridão nessa fase relativamente precoce dos 15 bilhões de anos de história do Universo.

Esse estudo de Kenneth M. Lanzetta, da Universidade Estadual de Nova Iorque, contradiz a crença usual de que a formação das estrelas começou lentamente após o Big Bang e alcançou seu clímax somente 5 bilhões de anos mais tarde. (The State)

Contrariamente à maioria dos relatos sobre a evolução, que empregam termos como “ciência”, “constatação científica”, etc., dando a impressão de certezas sobre a formação do Universo, este artigo revela a completa perplexidade dos que fizeram o estudo. Expressões como “princípio teórico”, “uma nova teoria sugere”, “crença usual”, refletem a admissão do desconhecimento a respeito de como ela aconteceu.

Na verdade, as primeiras nove palavras da Bíblia contêm a explicação: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1). Sobre os homens que, apesar das evidências, rejeitam o Criador, Paulo diz em Romanos 1.18-22:“A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos”. (Arno Froese – http://www.chamada.com.br)

Qual é a idade da Terra e Universo?

A teoria da evolução é uma “religião” que exclui o Criador. Para manter essa teoria, seus defensores usam métodos considerados ultrapassados pela ciência moderna. Mesmo assim, os livros escolares não levam isso em conta, de forma que os jovens, desde o início, são ensinados a se posicionarem contra Deus.

Sobre esse assunto, leia atentamente o seguinte artigo:

Nas escolas continua se ensinando que a Terra tem 4,6 bilhões de anos.

Nas escolas continua se ensinando que a Terra tem 4,6 bilhões de anos.

 

Os milhões que faltam

Os dados sobre a idade da Terra e do Universo nos atuais livros escolares contradizem radicalmente os valores encontrados por métodos não-radiométricos. Somente os dados resultantes de medições radiométricas atingem valores que chegam a milhões ou bilhões de anos. Quando se procura pela idade da Terra nos livros-textos [de ciências e biologia], geralmente se encontra uma datação de 4,6 bilhões de anos. Essa idade foi apurada através da medição radiométrica de diversos minerais. Mas existe a possibilidade de verificar e confirmar esses resultados usando métodos não-radiométricos. Quando os dados resultantes da aplicação de métodos diferentes coincidem, pode-se aceitar que eles são válidos e correspondem à realidade. Quando não coincidem, existe margem para dúvidas.

Leia Mais…clique aqui

Criacionismo Científico – Como tudo começou?

Vídeo da primeira parte de uma palestra do Dr. Adauto Lourenço, explicando as bases do criacionismo cientifico.

Adauto J. B. Lourenço é B.Sc em Física pela Bob Jones University, EUA e M Sc. Formou-se em Física pela Clemson University nos EUA, foi pesquisador do Max Planck Institut na Alemanha e do Oak Ridge National Laboratory nos EUA e professor da Universidade de Americana no estado de São Paulo. Trabalhou na Nasa e hoje faz palestras pelo Brasil e Estados Unidos, defendendo a teoria criacionista.

%d blogueiros gostam disto: